Tina Oziewicz

Tina Oziewicz

🇵🇹 Tina Oziewicz é a autora de O Que Fazem os Sentimentos Quando Ninguém Está a Ver. Podem encontrá-la no Instagram em @tinaoziewicz.

Como seria o "Era uma vez uma menina chamada Tina”? Que história nos contaria?
Era uma vez uma pequena rapariga chamada Tina. Ela vivia num lugar frio e escuro e nunca sentia o calor do sol. A única coisa que a mantinha viva era o pequeno sol dentro dela que a impedia de congelar por todo o lado e de se transformar numa estalactite azul. Este pequeno sol nunca se apagou, mesmo em alturas em que não era maior do que um brilho mínimo, como uma estrela distante no céu nocturno. Sussurrava-lhe para seguir sempre virada para a luz, mesmo que esta fosse pouco visível. Então ela prestava atenção a esta faísca e nunca se esqueceu que ela estava lá. Ou talvez tenha sido aquela faísca que nunca esqueceu que ela estava lá? Questiono-me muitas vezes sobre isso.

Como foste parar às páginas de um livro infantil?
Por acidente, o que só acrescenta magia. Eu não planeei (ou sonhei) tornar-me numa autora de livros, por isso imaginem a minha surpresa por estar aqui agora. Quando eu era uma jovem mãe contava frequentemente todo o tipo de histórias improvisadas ao meu filho, que as pedia quase todos os dias. Era o nosso passatempo favorito, mas nunca me ocorreu escrever alguma delas. Certa vez, quando estávamos de férias à beira-mar, outras crianças juntaram-se para ouvir as minhas histórias e mais tarde os seus pais disseram-me que eu devia escrever livros para crianças. Escrevi algumas destas histórias e foi assim que o meu primeiro livro apareceu em 2007. Depois a minha editora pediu-me para escrever outro, e porque realmente gostei de o fazer, escrevi. Até agora, publiquei 10 livros infantis e continua a ser tão agradável como no início. Quem diria?

Quando crias uma história, tentas transformar a criança que vai descobrir a tua obra? Se sim, de que forma e qual o teu principal propósito?
Penso que a única transformação em que acredito é aquela que te torna mais tu. Algo que te nutre e te dá poder para que possas respirar livremente na tua própria pele, sentires-te seguro neste vasto mundo selvagem e ouvir a tua própria voz interior de forma mais clara. E sim, em cada um dos meus livros convido um leitor para uma pequena viagem comigo, mas o meu objectivo não é mudar alguém, antes criar um espaço seguro para explorar, para a imaginação, o deslumbramento, o riso, a reflexão. Não é uma coincidência que as crianças cresçam melhor em espaços seguros, em zonas de conforto a que possam voltar depois de cada novo desafio, e que para explorarem o mundo sem se colocarem em perigo, precisam de uma rede de segurança dos cuidados e apoio dos seus pais. Esta é uma das nossas necessidades psicológicas de base, ter um espaço seguro onde aterrar. Quero acreditar que os meus livros são espaços seguros, histórias que acalmam e encorajam, ao mostrar a resolução e o final feliz.

Dada a possibilidade de escolher qualquer um, que livro gostarias de ter escrito e ilustrado?
Vêm-me demasiados à ideia. Honestamente, não consigo responder a esta questão indicando apenas um título.

Se pudesses reencontrar-te em criança, que conselho darias a ti própria?
Acredita em ti.

…

🇬🇧 Tina Oziewicz is the author of What Feelings Do When No One's Looking. You can find her on Instagram at @tinaoziewicz.

How would "once upon a time, there was a little girl called Tina” go? What story would it tell us?
Once upon a time there was a little girl called Tina. She lived in a cold dark place and never felt the warmth of the sun. The only thing that kept her alive was the little sun inside of her that prevented her from freezing all over and turning into a blue icicle. This little sun never went out, even at times when it was not bigger than a tiniest sparkle like a distant star in the night sky. It whispered to her to always face towards the light, even if it was hardly visible. So she listened to this sparkle and never forgot it was there. Or maybe it was that sparkle that never forgot she was there? I often wonder about that.

How did you find yourself in the pages of picture books?
By accident, which only adds magic to it. I didn’t plan (or dream) to become a book author so imagine my surprise that this is where I am now. When I was a young mum I was often telling all sorts of impromptu stories to my child who asked for them almost every day. It was our favorite pastime but it never occurred to me to write anything down. Once when we were on holiday at the seaside, other children joined us to listen to my stories and later their parents told me that I should write books for kids. I wrote some of these stories down and this is how my first book appeared in 2007. Then my publisher asked me to write another one, and because I really enjoyed it, I did. I published 10 children’s books so far and it’s still as enjoyable as in the beginning. Who’d know?

When you create a story, do you ever try to transform the little child who will be on the other side of your work? If so, how and what is your main purpose?
I think the only transformation I believe in is the one which makes you more yourself. Something that nourishes you and empowers you so you can breathe freely in your own skin, feel safe in this wide wild world and hear your own inner voice more clearly. And yes, in each of my books I invite a reader onto a little journey with me but my point is not to change someone, but to create a safe space for exploring, for imagination, for wonder, for laughter, for reflection. It’s not a coincidence that children grow best in safe spaces, in comfort zones they can come back to after each new challenge, and that to explore the world without endangering themselves they need a safety net of their parents’ care and support. This is one of our basic psychological needs, to have a safe place to land. I want to believe that my books are safe spaces, stories that soothe and embolden by showing the resolution and the happy ending.

If you could choose any existing book, which one would you have liked to have written/illustrated yourself?
Too many springs to mind, I honestly can’t answer that question by giving you one title. ;)

What advice would you give your younger self if you could go back in time?
Believe in yourself.

Voltar para o blogue

Deixe um comentário

Tenha em atenção que os comentários necessitam de ser aprovados antes de serem publicados.