Maria Pereira dos Santos

🇬🇧Maria is the voice behind the hilarious Instagram account @mikasps, where you can follow all her big family's adventures.

Who are you, Maria? Who are your five children?
I am a person who likes adventure, I am always "in the go". Standing still tires me out. I'm a photographer, I love seeing stories in everything and photographing to keep those moments even more real. My five kids are a bunch of fun, throwing a thousand tantrums and leaving me devastated many times. They are sweet, crooked as hell, but very quick-witted and masters of their nose (which is good sometimes, and terrible other times).

In what way did stories and books make an impression on you as a child? Do you keep an image of something or some book in particular?
I always read a lot, mainly because we didn't have a television. I remember reading comic books like Lucky Luke, Tintin, Marsupilami. I also remember other "older" stories, like the Grimm's Tales. I think books always helped me travel. To learn more. To questions more and to be closer to those who told me the stories. My parents, who never spent much money on anything, always said that there was always money for books.

How do you choose each of the books that you present to your children?
I admit that there are several moments when I think: what's the shortest story? (Ahahah, this before going to sleep.) Otherwise, I like well written stories, and stories that make me refer to real life examples, so that they can learn. Nowadays there are so many amazing books that I find it hard to choose only one and always end up bringing lots of them.

How would you like books to influence them?
I wish books would do to them what they did to me: take me to another world, dive into the story, ask questions and learn that there is more world than the one we live in.

Of all the picture books you’ve handled, which is the one that caused the biggest impression on you? Why or in which way?
I can't choose one, but I can tell you about the last one that moved me deeply when I read it: it's "Good Night, Gorilla" by Peggy Rathmann. It is a book with magnificent illustrations, with several layers of text implicit in its images and with a touching tone. It's a book with a child's heart.

If given the chance, who would you hug today?
To my grandparents. But I'm not much of a hugger anyway.

...

🇵🇹Maria é a voz por detrás da hilariante conta de Instagram @mikasps, onde podem seguir todas as aventuras da sua grande família.

Quem és tu, Maria? Quem são os vossos cinco filhos?
Sou uma pessoa que gosta de aventuras, estou sempre “no ir”. Ficar parada cansa-me. Sou fotógrafa, adoro ver histórias em tudo e fotografar para manter esses momentos ainda mais reais. Os meus cinco filhos são uns divertidos, que fazem mil birras e me deixam de rastos muitas vezes. São queridos, tortos como tudo, mas muito despachados e senhores do seu nariz (que é bom às vezes, e péssimo outras vezes).

De que forma as histórias contadas e os livros te marcaram na infância? Guardas a imagem de algo ou algum livro em particular?
Sempre li imenso, até porque não tínhamos televisão. Lembro-me de ler livros de banda desenhada do tipo do Lucky Luke, Tintin, Marsupilami. Lembro-me também de outras histórias mais “antigas”, como os Contos de Grimm. Acho que os livros me fizeram sempre viajar. Aprender mais. Perguntar mais e estar próximo de quem me contava as histórias. Os meus pais, que nunca gastaram muito dinheiro em nada, diziam sempre que para livros havia sempre dinheiro.

Como eleges cada um dos livros em que viajas com os teus filhos?
Admito que há vários momentos em que penso: qual é a história mais pequena? (Ahahah, isto antes de dormir.) De resto, gosto de histórias bem escritas, e que façam com que eu consiga remeter para exemplos da vida real, para que vão aprendendo. Hoje em dia há livros tãããoo giros que tenho dificuldade em escolher e acabo sempre por trazer imensos.

Como é que gostarias que os livros os transformassem?
Gostava que lhes fizessem o mesmo que os livros me fizeram a mim: levar-me para outro mundo, entrar na história, fazer perguntas e aprender que há mais mundo do que o que vivemos.

De todos os livros infantis que já te passaram pelas mãos, qual o que teve um impacto mais transformador? Porquê ou de que forma?
Ai, pergunta difícil, porque não consigo escolher um. Adoro “O Cuquedo”, porque contá-lo é giro (cheio de entoação). Mas há muitos que gosto de contar e de que os meus filhos gostam. Eles são tão pequenos que não tenho a certeza de que haja ainda uma grande transformação.

Se pudesses, a quem darias um abraço apertado hoje?
Aos meus avós. Mas eu não sou muito de abraços de qualquer forma.